26 de dez de 2011

Dono do último Fusca táxi vai se aposentar


Com o Fusca laranja, Seu Lucas já levou famosos como Elza Soares e Clodovil. Agora terá que parar as atividades porque a Prefeitura só credenciará modelos produzidos após 2005.



O último remanescente dos antigos táxis laranjas que nas últimas décadas desfilaram pela capital pernambucana sairá de cena. Não por vontade própria de seu dono, o aposentado Amaro Bernardo da Silva, de 59 anos, conhecido carinhosamente como “Seu Lucas”. E sim porque o Fusca 1976, que há 32 anos faz ponto em frente ao Hospital da Restauração, já não atende às exigências da Prefeitura do Recife. Por lei, só os modelos fabricados a partir de 2005 têm autorização para rodar nas ruas da cidade. Com a determinação da administração municipal, um pedaço da história se vai. Um final melancólico para quem dedicou tanto tempo e amor à profissão.


Foram muitas as situações peculiares vividas pelo aposentado que antes de assumir o fusquinha laranja trabalhava como funcionário público da Emater. “No princípio, rodava com um fusquinha 67 que tomava emprestado de um amigo para utilizar como táxi. Mas só nos fins de semana, pois de segunda a sexta eu estava na repartição. Em 1979, comprei o meu por 90 mil cruzeiros. Paguei 50 mil de entrada e o resto em oito parcelas. Desde então, foi o único carro que tive na vida. Carro novo não me enche os olhos”, conta Seu Lucas. Ele afirma que já aconteceu de tudo dentro do veículo. “Aqui já passou homem baleado, mulher grávida dando a luz, gente morrendo. Às vezes nem gosto de contar pois dizem que estou mentindo”, diz com bom humor.

Mas o estado de espírito de Seu Lucas hoje é de tristeza. “Estou muito chateado com essa situação. Se o carro não tivesse condições de rodar, mas está todo bem cuidado”. E é a mais pura verdade. A atenção que o aposentado dá ao veículo é de fazer inveja a muito carro novo. “Nos anos 80 coloquei um jogo de jantes. Mais recentemente comprei couro e mandei colocar nos bancos. Os estribos do carro são cromados, assim como partes do motor. Também não costumo lavar o carro. Prefiro limpá-lo com uma flanela molhada que assim ele fica com uma aparência melhor”, entrega o segredo.
Fonte: JC Online

Um comentário:

  1. Boa matéria lancei no tuiter o link do teu blog.
    Abração

    ResponderExcluir